Umas Duas Cervejas E Meia Duzia Depois, by Silvana McGuire at Spillwords.com

Umas Duas Cervejas E Meia Duzia Depois

  • Rate this poem
Sending
User Review
5 (4 votes)

Umas Duas Cervejas E Meia Duzia Depois

written by: Silvana McGuire

 

Aqueles olhinhos verdes, do chao pro ceu brilhando
Feito relampago, me deixaram com os cabelos arrepiando
O sovaco, molhado
Nao tinha anjo, nao tinha bruxa, nao tinha lua, nao tinha nada

Tinham so os dois olhinhos, no meio do escuro, brilhando pra mim verdinhos
Em dois segundos brequei, puxei o carro pra direita e pra esquerda,
Os olhinhos sumiram! Como?

No mesmo momento, ali estavam de novo, piscando, e debaixo deles
A boca, arreganhada, dentes pontudos, brancos, agudos, a lingua afiada

Seu danado! Um gato preto cruzando meu caminho
Debaixo do viaduto, na noite que nao era enluarada
Valha-me Deus, misericordia, que nao quero matar o bichinho!

Nao! Nao! Que danacao!

Um baque debaixo do carro, so um, nao pegou nas rodas, nao pegou nas rodas, nao pegou nas rodas
No retrovisor, no escuro, duas da manha, duas cervejas e meia duzia e minha fantasia de Carnaval reusada, largada no banco, pra outra ocasiao

Era gato? Era danacao?

Era final de Outubro! Doces e Assombracao!

Silvana McGuire

Silvana McGuire

Silvana McGuire é uma escritora de contos em prosa e verso. Seu trabalho foi publicado por Spillwords e várias outras revistas online. Outras de suas estórias e versos estão publicadas em livros distribuídos pela Clarendon House Publication.
Silvana McGuire

Latest posts by Silvana McGuire (see all)